Logo

Agência Sergipe
de Notícias

Notícia

Governo do Estado capacita médicos para diagnóstico de morte encefálica

Em fevereiro deste ano, o Estado implantou dez leitos no Huse para pacientes críticos. Deles, dois foram destinados ao diagnóstico de pacientes com possibilidade de morte encefálica
18 de Março de 2019 | 10:50

A Secretaria de Estado da Saúde (SES), através da Central de Transplante de Sergipe, da Diretoria de Atenção Integral à Saúde (DAIS) e da Organização de Procura de Órgãos, com apoio do Núcleo de Educação Permanente do Hospital de Urgências de Sergipe (NEP/HUSE), realizou no último sábado (16), na Universidade Tiradentes, curso para determinação de Morte Encefálica (ME).O curso tem como público-alvo os médicos do Huse, hospitais regionais (Estância, Lagarto e Itabaiana), para capacitação na determinação de ME e os profissionais do Samu como ouvintes para compreenderem a logística do processo Doação/ Transplante.

O curso além de habilitar os profissionais no reconhecimento também orienta no trato humanizado das famílias. Para o coordenador da Central Estadual de Transplante, Benito Oliveira Fernadez, o Conselho Federal de Medicina determina que o médico só pode realizar o protocolo de morte encefálica munido de habilitação. Para adquirir o certificado do curso, os médicos intensivistas, neurologista e emergencista tiveram que comprovar que atendem pacientes em estado de coma há, no mínimo, um ano.

“Queremos aumentar o número de profissionais para realizar o diagnóstico de morte encefálica e ,assim, tentar reduzir o stress da equipe e família em relação ao quadro real do paciente. Abrimos o curso para ouvintes no sentido de sensibilizar outras categorias para que instrumentalizados eles consigam desenvolver um melhor acolhimento à família dos pacientes", enfatizou Benito Oliveira Fernadez.

A representante da Organização de Procura de Órgão, Ana Paula Rocha, destacou que o curso é uma ferramenta para aumentar o quantitativo da doação no Estado. “No Brasil, temos mais de 33 mil pessoas esperando por algum órgão a ser transplantado. Só podemos entrevistar a família para a doação de órgão depois que o paciente passa pelo processo de diagnóstico de morte encefálica. Isso pode aumentar o leque de doação no Estado de Sergipe”, contou.

Médica da Unidade de Tratamento Intensivo do Hospital de Itabaiana, a cursista Tacianne Braga, disse que a capacitação é uma oportunidade para médicos e pacientes que estão na fila de transplante. “Sabemos que há muitos pacientes na fila precisando que esse diagnóstico seja dado de uma forma mais eficaz e rápida. Com mais profissionais habilitados esse quadro pode melhorar”, pontuou.

Em fevereiro deste ano, o governo do Estado implantou dez leitos no Huse para pacientes críticos. Deles, dois foram destinados ao diagnóstico de pacientes com possibilidade de morte encefálica.

  • Medium bd27484548a006fe8635bedb9331cc81
  • Medium ae2bc0b6429418a6cf99a44d5e177065
  • Medium 50f07de5159b4e9888cd2278d0079fed
  • Medium 89ca8aab6f6a10352dd62007712afce0
Medium bd27484548a006fe8635bedb9331cc81Medium ae2bc0b6429418a6cf99a44d5e177065Medium 50f07de5159b4e9888cd2278d0079fedMedium 89ca8aab6f6a10352dd62007712afce0