Logo

Agência Sergipe
de Notícias

Notícia

"Sempre contei com seu apoio quando é para defender os interesses da população", declara Belivaldo em homenagem a Chiquinho Gualberto

Nesta quarta-feira, 22, o deputado estadual Francisco Gualberto recebeu o título de cidadão aracajuano da Câmara Municipal de Aracaju
22 de Maio de 2019 | 17:50

O governador Belivaldo Chagas compareceu, na tarde desta quarta-feira, 22, à entrega do título de cidadão aracajuano ao deputado estadual Francisco Gualberto (PT). A solenidade ocorreu no plenário da Câmara Municipal de Aracaju. A propositura foi do ex-vereador Emanuel Nascimento. O prefeito em exercício de Aracaju e vereador, Nitinho Vitale, participou do evento. 

Na ocasião, o governador afirmou que não poderia deixar de prestigiar o amigo e deputado Francisco Gualberto no momento de importante homenagem. “Construímos uma boa amizade desde que fomos colegas na Assembleia Legislativa e não poderia deixar de prestigiá-lo. Gualberto é um aliado nos embates políticos. Sempre contamos com o seu apoio quando é para defender os interesses da população sergipana e, especialmente, de Aracaju”, enfatizou.  

Francisco Gualberto agradeceu ao governador  e destacou a amizade que os une desde quando foram colegas na Alese. "Somos parceiros políticos e defendemos o mesmo projeto para Sergipe, além de ter por ele uma admiração pessoal muito grande", afirmou. Gualberto também agradeceu a presença da vice-governadora Eliane Aquino. 

O presidente interino da Câmara de Vereadores, Thiago Batalha, disse que a homenagem é o reconhecimento da casa legislativa municipal ao político que sempre esteve ao lado do povo sergipano.

Gualberto fez um relato da sua história de vida e política. Ele nasceu no povoado Caípe Velho, em São Cristóvão, no dia 23 de maio de 1956. Veio para Aracaju em 1980. Em função de atritos com representantes da antiga Arena, na época da ditadura militar, teve que se refugiar na casa de um cunhado no bairro Sanatório, em Aracaju. relembra. 

“Foi aqui que eu pude viver momentos muito diferentes na vida. Desde morar num quarto de vila, na rua Joaldo Barreto, no Santos Dumont, e passando por uma ocupação no bairro São Conrado, num período em que não tinha água, energia nem reboco nas casas”, recorda o parlamentar. 

No início dos anos 1980, ele trabalhou como porteiro no edifício Flamboyant, na zona sul de Aracaju, na construção do edifício Saveiro, feito pela Norcon na rua Itabaianinha, e numa obra no Tecarmo. Após essa fase, estudou e conseguiu aprovação num concurso para a antiga Nitrofertil, hoje Fafen. “Dos três filhos que tenho, duas nasceram aqui em Aracaju. E foi aqui também que conheci grandes parceiros que me levaram a participar da construção do Partido dos Trabalhadores e posteriormente da Central Única dos Trabalhadores (CUT)”, disse. 

Gualberto também foi vereador por Aracaju, sendo o segundo mais votado na eleição de 2000 (4.729 votos), quando Marcelo Déda também foi eleito prefeito de Aracaju. Em 2002 candidatou-se a deputado estadual e ficou como suplente, assumindo o mandato em 2003. Nas demais eleições conseguiu ser reeleito, estando agora no quinto mandato na Assembleia Legislativa. 

Foi candidato a senador pelo PSTU em 1994 e obteve mais de 70 mil votos. “Foi um fato interessante porque naquela eleição votava-se em dois senadores e nós acabamos contribuindo para a eleição de José Eduardo Dutra (PT), já que eu tive 70 mil votos e a diferença dele para Lourival Batista foi de 14 mil votos”, relembra Francisco Gualberto. “Portanto, tive uma trajetória humilde, mas vitoriosa, dentro dos conceitos e princípios que me norteiam. E agora tenho duas cidades mães. Uma onde nasci e outra onde vivo e estou sendo criado na vida política, social e familiar”. 

Para ele, a aprovação do título não deixa de ser o reconhecimento de todos os vereadores ao seu trabalho em favor da população da capital. “É uma simbologia muito grande de respeito que a sociedade tem por mim, mesmo compreendendo que temos adversários políticos. Mas o respeito fica expresso, assim como a gratidão e a felicidade”, concluiu Gualberto. 

O deputado agradeceu a generosidade da Câmara Municipal por lhe conceder o título de cidadão aracajuano, ressaltando que não chegou aonde chegou sozinho.

  • Medium 4bd184b07f918806ec2c5ee85579acd6
  • Medium 38c5a80f43351871c3e3360c70feee6c
  • Medium 308215d8ac6de150c5c342f56bc56221
  • Medium 6f3e336d18c5f48d0f967a8eadd6064a
  • Medium 7ef0698ee8a2d5d4431c144758e25b76
  • Medium cec3ccdc8135039ca8e09d32ddc103dc
  • Medium c2afc18ccb78b93858cc9efdbcbfba23
  • Medium bb13ed4d31262d7b12b0fd55a1f89add
  • Medium d9e122fb9ca6112fc09adeb6235ccf04
Medium 4bd184b07f918806ec2c5ee85579acd6Medium 38c5a80f43351871c3e3360c70feee6cMedium 308215d8ac6de150c5c342f56bc56221Medium 6f3e336d18c5f48d0f967a8eadd6064aMedium 7ef0698ee8a2d5d4431c144758e25b76Medium cec3ccdc8135039ca8e09d32ddc103dcMedium c2afc18ccb78b93858cc9efdbcbfba23Medium bb13ed4d31262d7b12b0fd55a1f89addMedium d9e122fb9ca6112fc09adeb6235ccf04