Logo

Agência Sergipe
de Notícias

Notícia

Governador discute Programa Águas de Sergipe com missão do Banco Mundial

Programa tem como finalidade a melhoria da qualidade da água da Bacia Hidrográfica do Rio Sergipe (BHRS)
25 de Maio de 2015 | 11:58

O governador Jackson Barreto se reuniu na tarde desta segunda-feira, 25, com representantes do Banco Mundial (BIRD) para debater a execução do Programa Águas de Sergipe, que é financiado pela instituição bancária internacional. Na ocasião, o diretor e coordenador do Programa no Banco, Thadeu Abicalil, comunicou ao governador que nos últimos meses o Águas de Sergipe sofreu um incremento e passou a operacionalizar as ações e processos de forma mais rápida e eficiente. Os técnicos estarão até a próxima sexta-feira, 29, em Sergipe, executando a Missão de Revisão de Meio Termo do Programa.

“Esse resultado é fruto da ação direta do senhor governador”, afirmou Thadeu Abicalil, ao salientar que os novos resultados animam a equipe a dar continuidade às ações do programa, “por ter a garantia de se conseguir um melhor desempenho”.

O governador Jackson Barreto ficou satisfeito ao ouvir as observações do representante do Banco Mundial, e afirmou que não admite que um estado pobre como Sergipe, que precisa ampliar suas ações, perca recursos fundamentais para o seu desenvolvimento e para solucionar problemas graves como o uso correto da água. “Estamos trabalhando para cumprir todos os processos e atender os prazos estabelecidos pelo Banco Mundial dentro do Programa Águas de Sergipe”, acentuou o governador.

A Missão de Revisão de Meio Termo oportuniza ao Governo e ao Banco Mundial a reconsiderarem a eficácia e a efetividade do programa que vem sendo desenvolvido no Estado, podendo aperfeiçoar os pontos que não apresentaram resultados satisfatórios.

Em 2012 o Governo de Sergipe firmou acordo de empréstimo com o Banco Mundial no valor de US$ 70,275 milhões, com a finalidade de alavancar um programa ambiental que tem como finalidade a melhoria da qualidade da água da Bacia Hidrográfica do Rio Sergipe (BHRS), principal bacia hidrográfica do estado. O programa pretende melhorar as práticas de manejo do solo e, como consequência, a qualidade e o uso racional da água da Bacia. O programa é coordenado pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), com a participação da Adema, Deso, Cohidro e Emdagro.

Eixos

O Programa Águas de Sergipe atua em três eixos: Gestão de Recursos Hídricos e Desenvolvimento Institucional; Água e Irrigação; e Água e Cidades. No que se refere à Gestão de Recursos Hídricos, o Banco Mundial propôs ao governador a criação de um órgão regulador de uso múltiplo das águas do Estado, o que foi aceito de imediato. Ficou acertada a realização de uma reunião com os órgãos envolvidos no programa e mais as Secretarias de Planejamento e Fazenda para dar início à discussão da proposta. Este componente está a cargo da SEMARH e tem como principal objetivo o fortalecimento institucional do Estado na gestão dos recursos hídricos.

No que se refere ao eixo Água e Irrigação, ainda neste semestre será iniciada a mudança de todo o sistema de irrigação dos perímetros irrigados da Ribeira e Jacarecica I, passando para um sistema mais econômico e mais eficiente, com possibilidade de ampliação das áreas irrigadas.

Também neste componente serão recuperadas as áreas de preservação permanente das barragens de Jacarecica I, II e Ribeira, bem como serão elaborados manuais de segurança das barragens a serem distribuídos com os beneficiários. Os investimentos das ações serão na ordem R$ 11 milhões.

A execução das obras está sob a responsabilidade da COHIDRO e da EMDAGRO, que tem como objetivo realizar intervenções físicas na Bacia do Rio Sergipe com ênfase aos perímetros irrigados e nas áreas de agricultura familiar.

O terceiro eixo, que envolve Água e Cidades, as obras já se iniciaram com a assinatura no último dia 12 de maio da ordem de serviço para implantação do Sistema de Esgotamento Sanitário de Nossa Senhora das Dores. A obra está orçada em R$ 26,5 milhões e irá propiciar a coleta e tratamento de esgoto sanitário em aproximadamente 80% da área urbana do município, atendendo a mais de 15.000 pessoas com 3.186 ligações de esgoto sanitário ao final da obra. Além da rede de esgotamento sanitário, serão implantadas Estação de Tratamento e Estações Elevatórias.

Também já foi iniciado o processo licitatório para implantação do sistema de esgotamento sanitário de Itabaiana. Toda a execução desse eixo está sob a responsabilidade da DESO.

O programa tem mais de 80 ações previstas para serem realizadas e todas elas voltadas para atingir o objetivo principal, que é a melhoria da qualidade da água da Bacia Hidrográfica do Rio Sergipe. Existem ainda, ações de consultoria, de aquisição de bens e serviços e de obras.

Missão

A Missão de Revisão de Meio Termo que os técnicos do Banco Mundial estão realizando em Sergipe pode tomar medidas apropriadas em relação ao futuro da operação do projeto, incluindo uma reestruturação significativa, caso se faça necessário. É durante essa missão que o Governo e o Banco Mundial avaliam aspectos operacionais, tais como gerenciamento de projeto e desempenho de implementação. Também são discutidos se os objetivos do projeto estão sendo alcançados e se permanecem viáveis ou relevantes dentro do prazo de sua execução.

Em geral, a RMT ocorre 24 meses após a efetividade do acordo entre o mutuário e o Banco Mundial, mas antes dos desembolsos chegarem a 40%. O acordo entre o Governo do Estado e o Banco Mundial para o Programa Águas de Sergipe foi assinado em 2012 e o prazo para execução é até 2017.
 
Participantes

Participaram da reunião como membros da Missão do Banco Mundial, os senhores Luis Loyola - Especialista da FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação); Boris Utria - diretor do Banco; Thadeu Abicalil – diretor e coordenador do Programa no Banco; e Tânia Lettieri - diretora do Banco.

Também acompanharam a reunião, o secretário de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Olivier Chagas, o presidente da Adema, José Almeida Lima, o secretário de Estado da Agricultura, Esmeraldo Leal, o presidente da Deso, Carlos Melo e o presidente da Cohidro, Mardoqueu Bodano.

 

 

  • Medium 266eb5d7a40c60fa6aa13e1edc2cd1d2
  • Medium 4e36a846e426455af073459a402f846c
  • Medium a30130545e38fd98c67ea4d0e7c8ffae
  • Medium e4fc66ab39a9624faf63a954a7a33055
  • Medium f337013a0cb0feae2ba84eef84553696
  • Medium 5355c36d8ff57e482a42b10e692d0b32
  • Medium aeea8ce8b17c2a8571a11ffa27eda18c
  • Medium a3bf347e5073bad811999f6032d12e42
Medium 266eb5d7a40c60fa6aa13e1edc2cd1d2Medium 4e36a846e426455af073459a402f846cMedium a30130545e38fd98c67ea4d0e7c8ffaeMedium e4fc66ab39a9624faf63a954a7a33055Medium f337013a0cb0feae2ba84eef84553696Medium 5355c36d8ff57e482a42b10e692d0b32Medium aeea8ce8b17c2a8571a11ffa27eda18cMedium a3bf347e5073bad811999f6032d12e42